Os bons pagam pelos maus: drogas nos portos brasileiros

Os portos brasileiros se tornaram uma das principais rotas do tráfico internacional de drogas entre os países andinos e a Europa, sendo a cocaína a principal droga exportada. Oriundas principalmente da Bolívia, Peru e Colômbia, embarcam por Santos, Itapoá, Itajaí, Navegantes e Salvador com destinos à Bélgica, Espanha, UK, Itália e Rússia.

Foram apreendidos em 2017 aproximadamente 17 toneladas de cocaína, porém, com os relatos dos presos envolvidos nos esquemas de tráfico, estima-se que devem ter sido exportados pelo Brasil por volta de 150 toneladas de drogas.

Como resultado, a Receita e a Polícia Federal estão cada vez mais rígidos com os exportadores brasileiros, que, hoje aleatoriamente solicita scanner de lotes de contêineres a serem embarcados com o custo médio de R$ 1180,00 por contêiner (movimento de pátio + scanner), no qual é repassado ao exportador tornando os produtos brasileiros ainda menos competitivos.

De acordo com o auditor fiscal Luiz Gustavo Robetti, mesmo que efetuassem escaneamento de 100% das cargas, ainda assim não seria uma ação eficaz, visto que o contêiner pode ser “contaminado” (referindo a inclusão de droga) em vários momentos do processo. Alguns portos brasileiros já estão aderindo a um sistema de inteligência da ONU para facilitar a troca de informações sobre o crime entre diversos portos do mundo, mas até que se encontre uma solução os exportadores continuarão sendo forçados a pagar essa conta.

Segundo informações confirmadas da Portonave / APM Itajaí e Porto Itapoa.

PORTONAVE (NAVEGANTES ) – SCANNER PARA TODAS AS CARGAS DE EXPORTAÇÃO COM DESTINO OU TRANSBORDO NA EUROPA + MARROCOS.

APM TERMINAL (ITAJAÍ) – SCANNER PARA TODAS AS CARGAS DE EXPORTAÇÃO COM DESTINO OU TRANSBORDO NA EUROPA + MARROCOS.

PORTO ITAPOA ( ITAPOA) – SCANNER PARA TODAS AS CARGAS DE EXPORTAÇÃO COM DESTINO OU TRANSBORDO NA EUROPA.

Demais estados como PR e SP não temos esta instrução até o momento, apenas em SC devido aos acontecimentos recentes de apreensão de drogas.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.