RETROSPECTIVA 2019: cenário do comércio internacional

O momento é de crise, manifestos e guerra comercial no mundo. Já sabemos que 2019 foi cheio de turbulências e falaremos sobre os principais acontecimentos do ano que influenciaram no comércio internacional, principalmente, para o contexto brasileiro.

Guerra comercial: China vs. EUA

O QUE ACONTECEU?

Em 2018, após Donald Trump assumir a presidência dos Estados Unidos da América (EUA), o empresário declarou um aumento da tarifa para produtos chineses dentro do país, com o objetivo de valorizar os produtos americanos.

De acordo com o portal de notícias EXAME, a China, que vem se tornando uma potência ameaçadora para os EUA, respondeu aumentando as tarifas de produtos americanos. Logo, os EUA declarou mais um aumento de tarifas e, a partir disso, a guerra comercial se instaurou.

NO QUE IMPACTOU?

Por conta do aumento do preço dos produtos Chineses e Americanos, o número de compra e venda entre os países diminuiu, afirma o jornal francês Le Monde.

Toda essa mudança, impactou na taxa cambial do dólar. Em comparação com o real brasileiro, o dólar comercial atingiu a marca dos R$4,26 até o fechamento de novembro de 2019. O dólar é uma das moedas internacionais mais utilizadas em acordos comerciais e, para os importadores brasileiros, a conta subiu e muito!

Em contrapartida, um setor beneficiado foi o agronegócio. A China precisou procurar outros fornecedores de soja, amêndoas, maçãs, laranjas e carnes, e o Brasil foi um dos substitutos dos EUA nesse ponto – já que representamos o terceiro maior exportador agrícola do mundo.

Brasil no exterior

O QUE ACONTECEU?

No início de 2019, um governo com posições políticas diferentes dos últimos anos assumiu o Poder Público Federal no Brasil. De acordo com o jornal britânico The Guardian, alguns posicionamentos do Brasil em eventos internacionais desagradaram alguns países da União Europeia e Oriente Médio.

Ainda, o novo governo aproveitou a oportunidade da Guerra Comercial: EUA vs. China para fortificar os laços com a China.

NO QUE IMPACTOU?

Houve uma diminuição considerável da exportação para países da União Europeia e Oriente Médio, por conta da tensão que as declarações do governo brasileiro criaram com países como a Alemanha e França. Além disso, o Brasil não fez a apresentação de um plano econômico no Fórum Econômico Mundial de Davos, o que fez alguns empresários do exterior perderem a confiança para comprar e vender para o país.

Em contrapartida, os laços com a China fizeram a venda de grãos, carnes e frutos aumentarem. Em específico, a venda de carne aumentou em 10% de janeiro a outubro de 2019, afirma a plataforma Engeplus. Os exportadores desse produto foram beneficiados, porém, o grande aumento da venda de carne para a China criou uma crise de fornecimento interno no Brasil. Assim, os consumidores brasileiros lidaram com um aumento de preço significativo no produto nos mercados.

Tensão no Oriente Médio

O QUE ACONTECEU?

A Arábia Saudita é um dos maiores exportadores de petróleo do mundo e uma de suas bases foi destruída em 2019. A informação de que os drones que realizaram essa ataque poderiam ser do seu vizinho, Irã, chegou aos ouvidos dos governantes árabes.

Até o momento, os países não declararam guerra, mas uma tensão se instaurou no território, com a participação, inclusive, dos Estados Unidos que declarou apoio a Arábia Saudita, caso algum conflito ocorra – por conta dos interesses dos EUA no petróleo.

NO QUE IMPACTOU?

O impacto foi na preocupação com o transporte global de petróleo, já que todo esse conflito ameaça a liberdade de navegação no Golfo – que é vital para o Brasil conseguir comercializar petróleo.

Além disso, a Arábia Saudita sofreu uma crise petrolífera em 2019 que teve uma reação inesperada do país: eles aumentaram a produção e passaram a vender petróleo por um preço menor.

Evitar problemas causados por fatores externos: é possível?

Acontecimentos políticos, sociais e econômicos causam imprevistos no dia a dia de quem atua com comércio internacional. É essencial manter-se atento aos acontecimentos por meio de plataformas de notícias e ter uma equipe atualizada para poder auxiliar as tomadas de decisão.

A contratação de um agente de cargas qualificado e transparente inclui um time de profissionais de diversas áreas atentos a tudo que pode interferir no embarque e desembarque das cargas, além de auxiliarem com as tomadas de decisão, considerando todos os fatores externos e internos.

A Royal Cargo do Brasil atua com transparência e praticidade com os seus clientes, visando o alcance do sucesso para seu público. Para isso, temos um departamento especializado em resolver situações causadas por fatores externos: o setor de Inteligência Logística. Saiba mais sobre como esses profissionais atuam aqui!


Leia mais:

Desembarques no fim do ano: confira 4 soluções para não ter prejuízos

Portal Web da Royal Cargo: informação em um único lugar

Como inovar no setor logístico? Confira algumas estratégias para iniciar!

 

Uma resposta em “RETROSPECTIVA 2019: cenário do comércio internacional”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.